Manter a motivação para praticar exercícios físicos pode não ser uma tarefa fácil hoje em dia. Afinal, quem nunca apertou o botão “soneca” do despertador para dormir mais um pouco em vez de treinar? Ou acabou desistindo do treino após o trabalho para aproveitar o happy hour com os amigos?

A verdade é que é preciso uma boa dose de motivação para encarar o exercício até mesmo em dias frios, chuvosos ou quando tudo que você quer é se jogar no sofá e não se mexer mais.

Por essas e outras, muitas pessoas decidem arrumar um parceiro de treino ou até mesmo treinar em grupo para aumentar a motivação e manter a regularidade da atividade física, seja ela qual for — natação, corrida, crossfit e até ciclismo podem ser praticados em dupla.

Mas será que um parceiro de treino é realmente a melhor opção? Como escolher a pessoa adequada para se integrar à sua rotina de exercícios? Confira agora nossas dicas e conheça as principais vantagens e desvantagens de treinar em dupla ou em grupo:

Vantagens de um parceiro de treino

Não é de hoje que pipocam nas redes sociais fotos e vídeos de casais ou amigos treinando juntos em parques, na rua ou na academia.

A princípio a ideia parece muito boa: além de garantir um tempo de qualidade com uma pessoa querida, a estratégia também serve como motivação, já que ninguém quer deixar seu parceiro de treino na mão.

Mas as vantagens não param por aí. Treinar em dupla, trio ou em grupo também pode:

Tornar a hora do exercício mais agradável

Ter alguém para compartilhar o treino pode ser uma experiência interessante, especialmente quando já existem afinidades entre as pessoas. Aproveitar os intervalos entre as séries para conversar sobre amenidades ou até mesmo reclamar dos exercícios ajuda a completar suas metas sem nem perceber.

E, naturalmente, quanto mais agradável o exercício, maiores as chances de incluí-lo definitivamente em sua rotina!

Aumentar o comprometimento e a disciplina

Com um parceiro de treino esperando na academia ou no parque, as chances de desistir do exercício nos dias de maior preguiça diminuem muito. Afinal, se o seu parceiro já está pronto para treinar, quem vai querer desistir?

Por isso, se você costuma ceder à falta de vontade na hora de se exercitar, contar com um parceiro pode aumentar muito seu comprometimento e disciplina.

Refletir em melhoras na alimentação

De nada adianta investir nos exercícios e descuidar da alimentação — é a combinação desses dois fatores que fará a diferença rumo aos objetivos, sejam eles um corpo mais bonito ou simplesmente mais saúde e disposição no dia a dia.

O parceiro de treino pode ter uma grande influência nesse aspecto, tanto contribuindo por meio de troca de experiências como auxiliando a controlar a fome e a vontade de comer alimentos que podem sabotar a dieta e colocar em risco tudo que foi conquistado com o treinamento.

Corrigir erros posturais ou de movimento

Ao treinar sozinho, é praticamente impossível ficar atento à postura ou à execução dos movimentos durante todo o tempo. Aliás, movimentos mal executados e desvios de postura estão entre as maiores causas de lesões durante exercícios.

Por isso, contar com um parceiro de treino é uma maneira prática de evitar esses problemas e garantir todos os benefícios da atividade física de forma segura e eficiente.

Gerar uma competição saudável

Testar os limites é um reflexo natural do ser humano e essa tendência fica ainda mais forte quando existe um “adversário”.

Um parceiro de treino pode representar um grande incentivo para melhorar sua performance e se superar cada vez mais, além de estimular uma competição saudável entre amigos.

Desvantagens de um parceiro de treino

Mas nem tudo são flores na hora de se exercitar com um parceiro de treino e o problema pode começar já na hora de escolher a pessoa ideal para essa função.

Afinal, será que é mesmo uma boa ideia compartilhar sua rotina de exercícios com a sua cara metade ou com um colega de trabalho? Como lidar com as diferenças no nível de desempenho de cada um?

Confira agora algumas desvantagens dessa opção de treinamento:

Diferenças no nível de condicionamento físico

É praticamente impossível encontrar um parceiro de treino com o mesmo nível de resistência, condicionamento e preparo físico.

Se por um lado um parceiro de nível mais avançado pode contribuir para a melhora da performance, por outro lado aumentam os riscos de lesões se os limites forem forçados além da conta. Já um parceiro de nível mais baixo pode tornar o treino pouco desafiador e diminuir sua eficiência.

Dificuldade para coordenar as agendas

Um dos maiores obstáculos para encontrar e manter um parceiro de treino é a incompatibilidade de agendas. Jornada de trabalho, cursos, compromissos pessoais — tudo isso pode dificultar na hora de combinar um horário para se exercitar em dupla. Em grupo, então, essa tarefa pode ser bem difícil!

Por isso, na hora de escolher alguém para acompanhar o treino, é importante checar a disponibilidade de horários.

Objetivos conflitantes

Ter um parceiro de treino com objetivos similares é essencial para evitar problemas na hora do exercício. Emagrecer, perder gordura ou ganhar massa muscular — cada objetivo demanda certas especificidades em cada treino e essas diferenças podem causar divergências entre os parceiros.

Se a companhia do parceiro é bem-vinda, mas os objetivos do treino não combinam, uma boa saída é optar por um treino misto: uma parte dos exercícios é feita em dupla e a outra parte individualmente.

Parceiro de treino: ter ou não ter?

A decisão por treinar sozinho ou em dupla (e até mesmo em grupo) é bastante pessoal e subjetiva. Muitas pessoas se sentem mais motivadas ao compartilhar a prática de atividades físicas com um amigo ou colega de academia, enquanto outras preferem a solidão para se concentrar melhor no treino.

De qualquer forma, não existe nada que impeça o meio-termo nesse caso: se as duas opções lhe parecem boas, por que não reservar alguns dias para se exercitar sozinho e outros dias para acompanhar um parceiro de treino? O importante em qualquer caso é se manter motivado!

E você, prefere treinar sozinho ou acompanhado? Que tal compartilhar nosso artigo nas redes sociais e convidar seus amigos para fazer exercícios em dupla?

Share: